terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Primeiro que a missão, um mantra

Guy Kawasaki é um homem de sucesso. Com 55 anos de idade, ele é fundador da Garage Technology Ventures, consultora de startups, e co-fundador da Alltop.com, um site de informação ao alcance de um só clique. Formado em Stanford, em 1976, em Psicologia, completou um MBA, mas a sua vida profissional ficou marcada na Apple. Hoje é também escritor (consulte o seu site) consultor, autor, colunista e orador. Este mês, Janeiro 2010, a revista americana Success entrevistou-o e Kawasaki deixa uma mensagem extraordinária: Se quer criar uma empresa, não produza uma declaração de missão, pois essas são aborrecidas. Independentemente do tipo de organização que está a criar, o primeiro passo é criar um mantra. O mantra não deve ter mais que três (sim, 3) palavras no máximo. E não tem de ser escrito ou impresso em posters ou em agendas. Se precisar de o fazer então é porque não é o mantra certo. Exemplos:
O de Guy Kawasaki é «Empower People», o da Garage Technology Ventures é «We start up startups», da Target é «Democratizing Design», da Nike é «Authentic Athletic Performance», e do Starbucks «Rewarding Everyday Moments». Mas o mantra não é apenas um exercício linguístico e de automotivação. É o contrato moral. «Do I want to make meaning?», diz Kawasaki, e avança: «Nós encontramos muitos empreendedores, que nos dizem quase sempre aquilo que pensam que desejamos ouvir: “Queremos fazer dinheiro”. Ouvir isto é tão depressivo e triste. Levou vinte anos a compreender, mas a verdade é que as empresas de sucesso são as que criam um significado.»

As perguntas devem ser: «Do I want to make the world a better place? Increase the quality of life? Right a terrible wrong? Prevent the end of something good?» («Success magazine», Janeiro 2010)

Bom, eu já segui o conselho de Kawasaki e criei o meu próprio mantra com duas palavras apenas e confesso que me tem ajudado imenso. É um mantra pessoal, que digo principalmente naqueles momentos que acho menos bons. Agora vou criar um sobre o que acho ser a minha missão para a minha envolvente…