sexta-feira, 23 de abril de 2010

O Ponto Morto (The Dip)

Seth Godin, um dos marketeers mais influentes do mundo, é autor de um livro muito interessante que apela à desistência: «O Ponto Morto» («The Dip»). Quando desde crianças ouvimos sempre «nunca desistas», Godin vem dizem o contrário: «Desista».

Bom, não é bem assim… Godin (que também tem um blog) apela à «desistência estratégica». Quando as coisas não interessam, não contribuem para o seu desenvolvimento, então desista e dedique-se às coisas que convêm. Quando está num cul-de-sac (beco sem saída), mais vale desistir mesmo e partir para o que lhe dará vida, lucro, felicidade, satisfação e que constituirá uma saída.
Segundo Godin, muitas vezes não partimos para outra porque «é mais fácil ser medíocre do que confrontar a realidade e desistir. Desistir é difícil, Desistir exige que reconheça que nunca vai ser o número um no mundo. Pelo menos não no que está a fazer.»
Mas a natureza humana é assim mesmo. Segundo Seth Godin, a Declaração de Independência alerta para um princípio humano muito estranho: «Toda a experiência tem demonstrado que a humanidade está mais disposta a sofrer, desde que os males sejam toleráveis, do que a fazer-se justiça, abolindo as formas a que está acostumada.»
Temos um potencial inimaginável, mas não é fácil pô-lo a funcionar. Godin enumera «sete razões para falhar na tentativa de ser o melhor»:

- Ficar sem tempo (e desistir) 
- Ficar sem dinheiro (e desistir)
- Assustrar-se (e desistir)
- Não estar suficientemente empenhado (e desistir)
- Perder interesse ou entusiasmo ou contentar-se em ser medíocre (e desistir)
- Concentrar-se no curto prazo em vez do longo (e desistir quando os objectivos de curto prazo se tornam demasiado difíceis)
- Escolher a coisa errada na qual quer ser o melhor do mundo (porque não tem o talento)

As pessoas persistentes conseguem visualizar a ideia da luz ao fundo do túnel, quando outras não o conseguem. Ao mesmo tempo, as pessoas mais inteligentes são realistas em não imaginar uma luz quando ela não existe.
Portanto, persistir quando se justificar, desistir quando se justificar… Porém o sucesso está ligado à nossa capacidade de desistência.