segunda-feira, 28 de junho de 2010

Como reagem as pessoas que viajam na auto-estrada do fracasso?

É interessante poder aferir como as pessoas reagem quando estão estancadas nos erros, aquilo a que Maxwell chama de auto-estrada do fracasso:

EXPLODIR: A irritação é muito comum, que se exterioriza com gritos, frustração, reacção exagerada, muitas vezes descarregada em si próprios ou em quem os rodeia.
ENCOBRIR: Esconder o erro. Lembram-se de Nicholas Leeson, que em 1995 levou o banco Barings à falência por simplesmente ter escondido os sucessivos erros que ia cometendo?
ACELERAR: Trabalhar mais depressa e sem pensar, lavrando no mesmo erro ou forçando a situação com algo incompatível. É bom tentar e tentar de novo, mas é melhor tentar, depois parar, e só depois tentar de novo.
FAZER MARCHA-ATRÁS: É o ciclo vicioso da justificação, da escusa, sem assumir a responsabilidade.
Por fim, DESISTIR: Se falhei a primeira, a segunda, bom, é melhor desistir. E desistem antes de alcançar o sucesso. John Maxwell dá um exemplo intitulado «Autobiografia em Cinco Pequenos Capítulos»:

«Capítulo 1 - Vou a descer a rua. Há um buraco enorme no passeio. Caio no buraco. Sinto-me perdida. Sinto-me indefesa. A culpa não é minha. Levo uma eternidade para encontrar a saída.
Capítulo 2 - Vou a descer a rua. Há um buraco enorme no passeio. Finjo que não o vejo. Caio outra vez no buraco. Não posso acreditar que estou no mesmo lugar, mas a culpa não é minha. Levo imenso tempo para sair de lá.
Capítulo 3 - Vou a descer a mesma rua. Há um buraco enorme no passeio. Eu vejo o buraco, mas, mesmo assim, caio no buraco. É um hábito. Os meus olhos estão abertos. Sei onde estou. A culpa é minha. Saio imediatamente.
Capítulo 4 - Vou a descer a mesma rua. Há um buraco enorme no passeio. Eu contorno o buraco.
Capítulo 5 - Vou a descer outra rua.

A única forma de chegar ao nível sucessivamente acima é assumir a responsabilidade. No excuses for our actions.