quarta-feira, 20 de abril de 2011

Cooperar ou... ter pena

Em sequência do post anterior, sobre as pessoas que gostam de ajudar, ocorre-me completar a ideia com estas palavras:

«Ter pena é baixo, é miudinho, é picuinhas, é rasteiro, é limitado. Ter pena é a fraca auto-estima a disfarçar-se de uma compaixão mesquinha.
Ter pena é como ter um poder de recurso. Aliás, pena é ser invejoso e ser ciumento.
Pior do que ter pena é gostar de ter pena, numa pretensão de superioridade patética sobre o objecto da pena. Gostar de ter pena é querer a fraqueza permanente do outro, sob pena de o/a esmagar com inveja e ciúmes.
Ter pena do outro é como ter pena de si próprio pelo que só consegue bem-estar quando se sente superior e... tem pena.

Gostar de ajudar. Quem procura dar ajuda, procura quem gosta de ser ajudado, quem quer que tenham pena. Quem se queixe.»

Fuja deste tipo de pessoas e destas situações. Prefira a cooperação, que não se baseia na submissão, na relação poder-submissão. Cooperação abraça a participação e a realização.