sexta-feira, 25 de maio de 2012

Epicteto e a arte de viver

A sabedoria vem de longe e Epicteto foi um marco no ensino da arte que muitos dizem ser difícil: saber viver. Epicteto foi secretário do imperador Nero e faleceu no ano de 135. Um grande pensador do seu tempo cujas ideias e princípios são válidos no nosso tempo.

A Arte de Viver é um pequeno livro de Epicteto, das edições Sílabo. Em pouco mais do que 70 páginas são abordadas todas as áreas que devemos dominar. Do Orgulho à Vontade, da Resignação ao Auto-Exame, da Aparência à Liberdade, da Compaixão ao Que é Conforme à Natureza.
Há palavras que valem muito porque trazem consigo significados profundos. Os homens e mulheres de valor não se confinam à produção de palavras, antes são capazes de as dotar de significados que movem as pessoas e o mundo. Um exemplo:

«O que depende e o que não depende de nós – De tudo quanto existe, algumas coisas dependem de nós, outras não dependem de nós. De nós dependem a opinião, os apetites, os impulsos, a aversão e, numa palavra, cada uma das nossas acções. Não dependem de nós o corpo, os bens, a fama, o poder e, numa palavra, tudo o que não constitui uma acção nossa. Mais, o que depende de nós é por natureza livre, sem constrangimentos e ilimitado, enquanto que o que não depende de nós é fraco, servil, sujeito a constrangimento e pertença de outrem. Lembra-te, por isso, que se acaso considerares livre o que por natureza é servil, e teu o que pertence a outrem, ficarás de pés atados, sujeito a padecimentos e perturbações e culparás ambos, deuses e homens. Se, pelo contrário, considerares teu apenas o que é teu de facto, e o que não te pertence tal qual é, jamais alguém te há-de subjugar, ninguém te fará impedimento, a ninguém culparás, com ninguém reclamarás, absolutamente nada farás contra a tua vontade, nenhum inimigo arranjarás, ninguém te molestará; nada, enfim, te fará dano.»

A Arte de Viver, de Epitecto. É para ler e saborear.