segunda-feira, 18 de março de 2013

Aware meditation



It's amazing the process of decision, of choice... and behavior of each person. Take the example of a crowded place, in the centre of a city. Sit in a cafe and watch people walking around. They walk, cycle or ride, intersect with each, in different directions and disctinct speed.

Extraordinary range of decisions and choices. The huge amount of energy spent that converges, at the same time. In same and various directions... however with so distinct purpose and meaning. The centre, the crowded place, is a confluent stage of energy that conspires to satisfaction and hapiness.

Each taken direction means a point where each one can meat a piece of satisfaction or a way to reach it. Even when the direction or the place each one go are unconfortable. Excluding the discomfort each one could have on their activity, at a deep level the decision is a step to what is perceived as a higher level of satisfaction or happiness.

Look carefully and reflect... THEN ASK YOURSELF:

- What makes you happy?
- What pleases you, specificaly?
- What places give you energy?
- What people do you like to meet?

- Where are you going?
- At what speed?
- What means to you? 

- Are you happy with the directions you take?
- Are you aware of the decision you make?
- Are you satisfied with the choices you take?
- What are your choices at moment?

Answer and don't forget, don't only think, ink it

terça-feira, 12 de março de 2013

Seja justo/a consigo



«Se eu tivesse feito diferente...»
«Podia ter actuado de outra forma...» 
«Fiz mal...», «Não devia ter feito aquilo assim...»

Se estes julgamentos lhe assaltam a mente, provavelmente está a ser injusto/a consigo. Porque, na verdade, o que fez no passado era o melhor que podia ter feito e sabia no momento. Claro que eventualmente até se lembrou de alguma alternativa, mas não a utilizou porque o que achou melhor e que tinha ao dispor era o que foi e o que fez. 
E fê-lo com uma intenção positiva, para si, para resolver a situação em que se encontrava. 
Ora não lhe fica bem agora estar a criticar-se a si próprio/a, sabendo que NESTE MOMENTO tem outra visão das coisas. Tem mais saber, mais conhecimento, aprendeu com essa situação passada, tirou conclusões, tem mais experiência. Pois é, assim também você, naquele momento passado, tinha actuado de forma diferente. Se tivesse sabido o que sabe hoje.

Portanto, não cometa essa injustiça sobre si próprio/a. Antes festeje O QUE APRENDEU. Celebre o que MAIS SABE HOJE sobre essa ou essas situações passadas. Brinde ao MAIOR CONHECIMENTO que adquiriu. Enfim, DESLUMBRE-SE pela pessoa que é AGORA, uma melhor versão de si. 
Cada acontecimento é determinado pelas condições que o/a rodeiam, pelas circunstâncias e pela sua capacidade para dar resposta aos eventos que lhes chegam.

CELEBRE, POIS, A NOVA VERSÃO DE SI,
MAIS EVOLUÍDA, MAIS EXPERIENTE

sexta-feira, 1 de março de 2013

Acreditar é bom. Fazer é melhor


Se acreditar em algo, faça o necessário para que 
não tenha necessidade de continuar a acreditar. 

Acreditar em algo que não está sob o nosso controlo ou ao nosso alcance é acreditar no que não existe (de todo ou ainda) e esperar que um dia aconteça alguma coisa para nos satisfazer a crença.
Se acredita em si, que pode fazer algo no futuro, tem ao seu alcance a possibilidade de concretizar a crença e tirar dela proveito e satisfação. 
Por exemplo, você acredita que é capaz de fazer o tal curso que imaginou fazer. Muito bem. Enquanto não o fizer, ficará com a crença de que será ou seria capaz de o completar. Se nunca o fizer, essa crença ocupará um espaço precioso na sua mente e no seu potencial sem utilidade prática e concreta. Sem real proveito de satisfação, felicidade, paz e tranquilidade.

Porém, quando fizer o curso, não precisará mais de acreditar, simplesmente porque ele já existe, já lá está, no concreto. É factual. Não faz sentido acreditar em algo que já existe.

Em resumo. Se acreditar for o motor para concretizar, o sucesso estará ao seu alcance. Se acreditar for para si um modo de vida e uma questão de necessidade, então ficará para sempre amarrado à crença, acreditando que alguma coisa acontecerá à sua volta e a seu favor. Poderá ficar assim meses ou anos, algemado/a à necessidade de acreditar, porque não actua, não concretiza, não completa.

Portanto, não creia só, FAÇA. Visualise, Acredite e FAÇA...