sexta-feira, 1 de março de 2013

Acreditar é bom. Fazer é melhor


Se acreditar em algo, faça o necessário para que 
não tenha necessidade de continuar a acreditar. 

Acreditar em algo que não está sob o nosso controlo ou ao nosso alcance é acreditar no que não existe (de todo ou ainda) e esperar que um dia aconteça alguma coisa para nos satisfazer a crença.
Se acredita em si, que pode fazer algo no futuro, tem ao seu alcance a possibilidade de concretizar a crença e tirar dela proveito e satisfação. 
Por exemplo, você acredita que é capaz de fazer o tal curso que imaginou fazer. Muito bem. Enquanto não o fizer, ficará com a crença de que será ou seria capaz de o completar. Se nunca o fizer, essa crença ocupará um espaço precioso na sua mente e no seu potencial sem utilidade prática e concreta. Sem real proveito de satisfação, felicidade, paz e tranquilidade.

Porém, quando fizer o curso, não precisará mais de acreditar, simplesmente porque ele já existe, já lá está, no concreto. É factual. Não faz sentido acreditar em algo que já existe.

Em resumo. Se acreditar for o motor para concretizar, o sucesso estará ao seu alcance. Se acreditar for para si um modo de vida e uma questão de necessidade, então ficará para sempre amarrado à crença, acreditando que alguma coisa acontecerá à sua volta e a seu favor. Poderá ficar assim meses ou anos, algemado/a à necessidade de acreditar, porque não actua, não concretiza, não completa.

Portanto, não creia só, FAÇA. Visualise, Acredite e FAÇA...