segunda-feira, 16 de março de 2015

Foco na mensagem ou na estrutura?


O foco de grande parte dos oradores é a mensagem. E assim esquecem por completo a estrutura. Custa a perceber que a eficácia da mensagem verbal assenta no que se faz à volta dela... Pois bem, analise o quadro acima e experimente debruçar-se sobre estes factores. Vai ver que a sua mensagem vai passar com mais eficácia.

A regra das 3 partes ajuda a estruturar o que vai dizer e como vai fazê-lo. Desde a entrada em palco até que o abandona. O orador é definido também pelo que faz no antes, no durante ou no depois. O que faz com o corpo, como se movimenta, como usa as pausas.

A regra das três partes é válida até para os sintomas do orador medroso, desconfortável e nervoso. No próximo post dir-lhe-ei como se manifesta...


Boas apresentações

quinta-feira, 5 de março de 2015

Public Speaking - 4 sugestões e 9 erros


Os problemas mais comuns quando se fala de public speaking são o que fazer com os braços, onde colocar as mãos, a posição em palco e que postura adoptar. Eis algumas dicas sobre o que fazer com o seu corpo enquanto fala para uma audiência:

Na verdade, a primeira ajuda visual que tem ao seu dispor é o corpo. Não tente controlar os movimentos e os gestos. Vai perceber-se e parecer nervosismo. Alguns princípios básicos para causar uma boa impressão em palco:

1Mantenha os braços ao longo do corpo prontos a serem usadas como reforços comunicativos.

2 – Tenha as mãos livres, sem objectos, para que não brinque com eles e dê elementos de distracção para a audiência. A menos que seja o comando do powerpoint.

3Use pelo menos duas posições no palco para variar alterar o ângulo de visão que a audiência tem sobre si.

4 – Se está a usar o powerpoint e precisa circular no palco, desligue o slide com o comando, passe então pela frente, encontre a sua posição e faça surgir de novo o slide no ecrã.

9 erros mais comuns na arte de falar em público

1 - Braços ou mãos cruzados = atitude fechada.
2 - Mãos nas ancas = arrogância e desafio
3 - Polegares na cintura = inestético, pouco profissional
4 - Mãos cruzadas à frente = vergonha, embaraço
5 - Mãos atrás das costas = embaraço, atitude fechada
6 - Mãos postas = pose de oração, submissão
7 - Tocar o corpo, as roupas, coçar (nariz, orelhas, cabelo, cabeça) = nervosismo
8 - Mãos nos bolsos = não profissional, demasiada descontracção

9 - Objectos nas mãos = Defesa, embaraço

domingo, 1 de março de 2015

5 tipos de pessoas tóxicas...


Acabei de ter uma experiência muito intensa relacionada com toxicidade emocional e resolvi escrever este texto. Há muito que não me sentia assim. Umas horas depois de ter tido contacto com um grupo de pessoas num evento institucional estava de rastos. Emocionalmente esgotado. 

Ninguém foi desagradável ou desadequado. Pelo contrário, todos os preceitos de cortesia foram verificados: cumprimentos, apertos de mão e sorrisos sociais estiveram presentes. Porém, depois de tudo isto a razão processar, ficou o facto: o efeito físico manifestou-se com grande intensidade, acompanhado de um enorme cansaço emocional. Pensamentos negativos, falta de motivação, inspiração zero, energia inexistente e um subtil e insistente desencanto.

Provavelmente, já sabe que há pessoas que afectam o seu bem-estar. Provavelmente, não se apercebeu o quanto essas pessoas o/a podem afectar. Mesmo que não lhe dirijam palavras ou sequer o/a olhem, fique com a certeza absoluta de que a sua simples presença afecta o seu equilíbrio, o ponto mais fulcral que contém a sua energia mais pura: o seu centro.

Principalmente, há 5 tipos de pessoas sugadoras de energia:

1 - Pessoas que mentem
2 - Pessoas que acusam
3 - Pessoas que querem mudá-lo/a
4 - Pessoas que querem usá-lo/a
5 - Pessoas que pensam de mais nelas próprias

Hoje foi dia de procurar leituras inspiradoras, falar com pessoas que gostam de mim, procurar o que quero e pensar o melhor de mim. E afinal o que colhi no dia de hoje? 
Que não se trata de evitar, trata-se de escolher definitivamente o que fazer.

1 - Trata-se de escolher as pessoas com quem quero e prefiro estar; 
2 - Trata-se de fazer o que me interessa e dá energia;
3 - Trata-se de aceitar apenas convites para eventos ou encontros institucionais que tragam oportunidade de conhecer novas pessoas;
4 - Trata-se de aceitar convites para eventos ou encontros formais ou informais que signifiquem possibilidades relacionadas com: ideias, situações, negócios, experiências e boas práticas;
5 - Trata-se e fazer o que penso acrescentar algo e não cumprir preceitos sociais ou institucionais...

Provavelmente, o que leu não é novidade. Para mim, não é, mas fiz questão de escrever para manter bem presente que pessoas tóxicas, ainda que polidas, esgotam-me e afectam o meu centro.