sábado, 10 de outubro de 2015

Se fosse animal, gostaria de ser gnu?


O gnu, um ícone da savana

Os gnus são animais com uma capacidade de sobrevivência extraordinária. Vivem em manadas numerosas e fazem longos trajectos, resistindo às agruras do terreno e às ameaças da savana, face aos ataques de leões, hienas, cães mabecos, crocodilos e leopardos. Reproduzem-se com facilidade e mantêm-se assim como espécie, sem perigo de extinção.

Já fiz esta pergunta a muita gente:
«Se fosses um animal, gostarias de ser um gnu?»

Todos, sem excepção, me responderam «não». Argumentei, apontei as qualidades que têm, a resistência, a mobilidade... O certo é que aparentemente ninguém se revê neste animal. Uns dizem que é feio, outros que um boi-cavalo nem é boi nem é cavalo, outros ainda dizem não ter nada de especial para ser inspirador...

Sem desdenhar da mãe-natureza e da sua diversidade, o símbolo associado ao gnu parece ser uma espécie de mediocridade sustentada pelo poder no número. Talvez por isso ninguém se identifique com o gnu, preferindo o leão, o leopardo, a águia ou o tigre... Indivíduos com porte, uma identidade e uma capacidade de acção e coragem sem igual. Porém, uma análise mais consciente leva-nos a crer que a sociedade está mais identificada com o gnu do que quer. Age como gnu mas admira o leão, o leopardo e a águia.

A finalizar, fazendo um paralelo, ser medíocre é uma competência de sobrevivência. Os medíocres actuam sempre em grupo, concertados. Preferem ser ninguém e viverem na redoma do medo. Detestam os indivíduos porque lhes invejam a coragem de ser autênticos e únicos e desejam muito que não existam ou se tornem rapidamente um elemento da manada.

Sei que se fosse um animal, não quereria ser gnu... 
Mas conseguirá sentir mesmo como o animal que admira?...